Aconteceu há mais de meio século

    Século da edição: 15/09/17

    330

    COMEMORAÇÃO DO “DIA DE CAXIAS”

    No Instituto de Educação “Aurélio Arrobas Martins”

    Discurso da Profa. Maria Pereira Bucco

    No dia 25 de agosto, às 9:30 horas, no Salão Nobre do Instituto de Educação “Aurélio Arrobas Martins”, efetuou-se a solenidade de encerramento da “Semana de Caxias”, cujo programa constou do seguinte:

    1º – Hino Nacional Brasileiro

    2º – Abertura da Solenidade pelo Sr. Diretor Prof. Juvenal Passos nogueira

    3º – Hino Acadêmico

    4º – Discurso pelo aluno Gabriel Travaini, do 3º Científico

    5º – Hino a Duque de Caxias

    6º – Discurso sobre a personalidade do Duque de Caxias, pela Profa. Maria Pereira Bucco

    7º – Canção do Soldado

    8º – Apresentação pela aluna Maria Cristina Camargo

    Além dos professores daquele conceituado e tradicional estabelecimento de ensino, compareceu a cerimonia cívica, todo corpo discente do normal, ginasial e colegial, bem como o ilustre General de Divisão Sr. Otávio da Silva Coelho, que a final teceu elogios à figura do Sr. Prof. Juvenal Passos Nogueira, por incentivar a juventude às comemorações de datas e vultos ilustres da nossa História Pátria, como o faz a Igreja, na perpetuação de seus santos.

    Devemos ressaltar, também, a belíssima atuação do orfeão, regido pela Profa. Liliana Zitti Manaia, que deu, com seu conjunto rítmico e harmonioso, a nota melódica à festa.

    O jovem Gabriel Travaini, foi feliz ao traçar o esboço biográfico do Duque de Caxias.

    Mas pelo conteúdo e significado das palavras que pronunciou, queremos destacar o discurso da Profa. Maria Pereira Bucco.

    Exmo. Sr. Diretor

    Exmo. Sr. Visitante General de Divisão

    Prezados Professores. Caros alunos.

    “Militarmente falando-se a maior figura do Brasil é Duque de Caxias, porque sua energia e tato souberam submeter todos os revoltosos, vencer os inimigos do Brasil, e organizar a defesa e a disciplina do Império, e sempre, como é bom que ressaltemos, democraticamente.

    Na época de anarquia e convulsão social, foi seu braço vencedor que susteve e restabeleceu a ordem, e acima de tudo, essa presença firme e magnânima fez-se notar os instantes ameaçadores em que inimigos externos punham em risco a independência e a dignidade do Brasil.

    A espada de Caxias preparou o ambiente para que o Brasil jamais se desintegrasse, se desunisse, tornando-o essa potência que será, no futuro, a salvaguarda da América Latina, na defesa dos direitos do homem subdesenvolvido.

    Luís Alves de Lima, nascido no Rio de Janeiro, estava predestinado a ser soldado, pois a família de militares, fez-se soldado alferes aos 15 anos. Batalhou pela ordem e lutas da Independência, na revolta da Cisplatina, sendo promovido a major vem 1828. Sua ação na política como elemento de ordem e disciplina ressaltou-se nas revoltas do Balaios, no Maranhão. Mas eis que também São Paulo e Sorocaba se insubordinaram e novamente é o pulso de ferro de Caxias que vira pôr-lhes ordem, bem como impediu que a rebelião separatista republicana do Rio Grande do Sul se consolidasse.

    Como ministro de guerra desincumbiu-se relevantemente na luta contra Rosas. Mas, é na guerra do Paraguai que sobreleva a atuação de Caxias, realizando estratagemas bélicos de grande resultados, encurralando Lopes, e demonstrando uma fibra de aço no meio da lama, do frio, das balas e da chuva.

    Sua vida foi enérgica e sábia, sendo chamado mui justamente: “O Grande General Tranquilo”. Sacrificou pela unidade do Brasil, lutando com bravura, lealdade, benevolência, conseguindo, democraticamente, o que era preciso, aliando-se o hábil e prudente político ao soldado de pulso de ferro, que todavia estimulava, sem oprimir, sem espezinhar diretos sagrados e humanos.

    Por isso é seu nome mui justamente lembrado”.

    COMPARTILHAR
    Artigo anteriorANIVERSÁRIOS
    Próximo artigoFRISSON por Ana Mattos

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor, digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui.