Comércio de Jaboticabal ficou aberto por pouco tempo

14

Após a orientação do Ministério Público, a Prefeitura de Jaboticabal optou por fechar novamente o comércio da cidade. O comércio, que havia sido fechado no dia 24 de março em obediência a um decreto do prefeito José Carlos Hori, foi reaberto no dia 22 de abril, sob determinação de outro decreto que detalhou com o funcionamento deveria ser.
O prefeito, depois de várias reuniões com representantes do comércio, optou pela abertura dizendo, pouco antes que “Jaboticabal fechou estabelecimentos há quase um mês para conter o avanço da Covid-19. Com a primeira onda da doença controlada, a Prefeitura libera a reabertura de lojas, mas com regras rígidas de higiene e segurança. O empresário que não cumprir as determinações terá o comércio lacrado”, avisou em sua live diária que é transmitida também pelo O Combate em sua página no Facebook.
Na época desta decisão, o município tinha ficado quase uma semana sem registrar novos casos e os suspeitos se mantinham estáveis. O decreto de 21 de abril informou que era obrigatório o uso de máscaras em funcionários, proprietários e clientes e estabeleceu que só poderia entrar uma pessoa por vez no estabelecimento. “O proprietário terá que organizar a fila do lado de fora da loja, com a distância adequada. Não queremos prejudicar as vendas nem gerar desemprego, mas a vida vem sempre em primeiro lugar. A loja que não cumprir será lacrada”, avisou Hori.
Logo depois, o governador de São Paulo, João Doria, deu uma advertência, durante sua live, aos prefeitos de Sertãozinho e de Jaboticabal, que, segundo Doria, haviam descumprido as determinações do Estado de manter o comércio fechado. O governador foi enfático e sua live, com ameças nada veladas de punir os municípios que descumprissem as normas estabelecidas pelo Governo do Estado, repercutiu na cidade.
Posteriormente, o Ministério Público (MP) se reuniu com o prefeito Hori e o orientou a seguir as determinações do Estado e no dia 4 de maio o comércio de Jaboticabal voltou a fechar suas portas. O Ministério Público entendeu que a Prefeitura devia seguir a recomendação do Governo do Estado. O aumento de ocupação nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) registrado na última semana de abril foi o outro motivo que levou a Promotoria a orientar a Prefeitura sobre o risco de um colapso no sistema de saúde. Segundo Hori, o aumento nas internações por Covid-19 ocorreu após a Diretoria Regional de Saúde (DRS) regular pacientes de outros municípios para Jaboticabal.
O presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), César Tomé, comentou que são medidas essenciais. “Acreditamos que são medidas necessárias e mandamos para a nossa Federação e para o nosso prefeito, além de um áudio para o governador de São Paulo, que sei que ele ouviu, sugestões de como proceder. Nossa proposta é de que é possível manter o isolamento, até mais que 50%, alternando a abertura dos estabelecimentos. Quando os bancos e lotéricas abrirem, o comércio fecha. Por que o supermercado tem que trabalhar seis dias por semana? São serviços essenciais, mas se a pessoa se organizar e o mercado trabalhar em dias alternados com os supermercados dá certo”, sugeriu Tomé.
Ele lembrou que durante o período no qual o comércio esteve aberto, tudo que foi estipulado foi obedecido. “Entrava apenas uma pessoa por vez nas lojas e com máscara, ao passo que nos bancos as filas estão enormes. O prefeito de Jaboticabal até tentou, foi empreendedor, mas o Governo do Estado se movimentou através da promotoria e infelizmente fechamos. Não recorremos porque entendemos que briga neste momento não adianta. Queremos ajudar, mas dá para fazer melhor”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.