Cuidados indispensáveis à pele negra

119

Hoje, em pleno dia no qual se encerra um mês destinado à comemoração da Consciência Negra, a pauta não podia ser mais propicia: os cuidados com este tom de pele. A pele negra ganhou uma ajudinha da genética, já que este tipo de cútis apresenta um alto nível de melanina e colágeno, deixando-a mais resistente ao sol e ao envelhecimento. No entanto, essa pele merece atenção especial para que não sofra com problemas como manchas no rosto, excesso de oleosidade e foliculite.
O alerta é da médica Tatiana Santos Dias Sicca, que lembra que a pele negra é cheia de particularidades, mas admite que tratá-la não tem mistério. “São necessários alguns bons hábitos diários e alguns cuidados específicos”, diz a Dra. Tatiana.
“A pele negra é mais lisa porque envelhece menos, devido à proteção da melanina, pigmento responsável pela sua coloração. É mais resistente porque a camada córnea é mais espessa, mas devido a isso, acne e foliculite podem surgir”, comenta a médica.
Segundo a Dra. Tatiana, a pele do corpo no paciente negro costuma ser mais seca do que em outras etnias. “Por isso, recomenda-se uma hidratação diária caprichada, devendo dar preferência a cremes a base de óleos — existem diversas texturas no mercado. E mais: use, debaixo do chuveiro, produtos in shower, para turbinar a potência dos hidratantes pós-banho”, disse a médica.
Dra. Tatiana destaca, no entanto, que embora o corpo seja seco, normalmente o rosto apresenta oleosidade. “A pele da face, principalmente em mulheres, costuma ter glândulas sebáceas bastante ativas, o que pode gerar cravos, espinhas e tons irregulares. A pele precisa de limpeza pelo menos duas vezes ao dia, sendo importante utilizar produtos não-oleosos, não-comedogênicos (que não fecham os poros) e pouco irritantes para evitar acne e foliculite”, alerta a médica.
Ela comenta que como qualquer pele oleosa, a pele negra deve ser tratada à noite com produtos hidratantes com base em gel; e pela manhã um protetor solar não-oleoso. “Embora a pele negra seja mais protegida, a incidência de manchas é muito grande, tanto quanto na pele muito clara”, destaca.
A Dra. Tatiana recomenda também uma esfoliação uma vez por semana para eliminar as células mortas. “Pelos encravados são comuns na pele negra, gerando a foliculite. Para evitá-la, esfoliação semanal é uma boa pedida. Em casos complicados, a depilação a laser resolve o problema”, disse, explicando que no caso específico das manchas o tratamento deverá ser feito com substâncias despigmentantes como hidroquinona, ácido kojico, ácido fítico, ácido azelaico, entre outros, mas com muita cautela e com profissional capacitado”.
Engana-se quem pensa que a pele negra não precisa de proteção solar. A grande quantidade de melanina gera uma tendência maior a manchas, e a prevenção está em produtos com filtro de, no mínimo, FPS 30, que devem ser usados diariamente, em todas as estações do ano. A reaplicação deve ser feita a cada três horas.
A flacidez na pele negra costuma aparecer mais tarde, por volta dos 40. A pele escura conta com altos níveis de colágeno, ou seja, tendem a apresentar rugas e linhas de expressão mais tarde do que as peles mais claras. Por isso, os cremes anti-idade podem começar a ser aplicados um pouco mais tarde, pela faixa dos 40 anos ao invés dos 25 ou 30, que é quando, normalmente, começam os sinais de envelhecimento numa pele mais clara. A dica é incluir os produtinhos antirrugas quando aparecerem as primeiras linhas finas ao redor da boca e dos olhos, além dos sinais de flacidez.
“O alto nível de melanina faz com que a absorção dos raios solares seja menor, o que interfere na sintetização da vitamina D. O resultado? Unhas fracas e quebradiças. Base fortalecedoras e reposição da vitamina ajudam a amenizar o problema”, encerrou a Dra. Tatiana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.