Deixei meu sapatinho na janela do quintal

    Artigo de Wlakíria Borsari Biraghi

    380

    Este é um verso de uma das músicas mais cantadas na época do Natal.

    A tradição de colocar meia ou sapato na janela ou chaminé começou na Holanda e se espalhou por outros países.

    Uma das versões da lenda diz que “São Nicolau (um santo que adorava crianças e é representado pelo Papai Noel) teve conhecimento de que três moças, muito pobres, não podiam se casar por falta de dinheiro.

    São Nicolau, muito comovido, atirou moedas de ouro pela janela, durante a noite, para não ser visto. As moedas caíram dentro das meias, que estavam secando perto do fogo.”

    Eu ouvia a música e imaginava o sapatinho na janela, todos dormindo, e Papai Noel descendo do céu todo estrelado.

    Acreditava seriamente que o que eu havia pedido caberia no sapato.

    Bendito pensamento mágico!

    Há pessoas que não se contagiam com o que dezembro traz; reclamam das festas de confraternização, da comilança, da troca de presentes, acham que é tudo comércio, falsidade,etc.

    Mas, pensemos nas crianças! Para elas, Papai Noel é bom, conhece cada uma delas, cada necessidade, cada ação. Através dele, elas aprendem a importância da bondade, de se respeitar o outro, de se tornar um ser humano melhor e de se compadecer. Através da figura do Papai Noel, podemos ensinar-lhes o verdadeiro espírito do Natal.

    A vida sem magia não teria cor nem sabor. Seria só o cheiro da condição humana e o barulho do ranger de dentes!

    É também através do mágico, da fantasia, que a criança forma o mundo real dela, desenvolve o intelecto e se prepara para o mundo adulto.

    Por isso, pensemos nas crianças e na capacidade que elas têm de se encantarem, de fantasiarem.

    Que a lembrança das tradições, das emoções proporcionadas pelos adultos que as cercam durante os preparativos e no dia de Natal sejam para elas um suporte emocional que lhes permita lutar e esperar por dias melhores.

    Eu vou continuar “deixando meu sapatinho na janela do quintal”, mesmo já sabendo que no decorrer do ano “vou gastar a sola” para enfrentar o que me estiver reservado por Deus.

    Hoje, o que me importa é que eu sei que todo ano ganho Dele fé e coragem para prosseguir minha caminhada terrena.

    Bom Natal a todos e que o nosso caminhar seja abençoado por Deus!

    COMPARTILHAR
    Artigo anteriorO que é recomeço
    Próximo artigoParceria

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor, digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui.