Depressão na terceira idade pode estar associada à diminuição da visão

21

A depressão tem preocupado os profissionais da saúde e os índices no Brasil são alarmantes: o País lidera os casos de depressão na América Latina. A doença acomete 5,8% da população, ou seja, 11,5 milhões de brasileiros – de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No âmbito global, o número de casos cresceu mais de 18% nos últimos 10 anos. O avanço rápido impulsiona a previsão de que, em 2020, essa será a enfermidade mais incapacitante do mundo. A Pesquisa Nacional de Saúde, conduzida em 2013, apontou que no país, as pessoas com idade entre 60 e 64 anos – início da velhice – são as mais acometidas pelo mal psiquiátrico.
A psicóloga Eliane Pereira Mello, especialista em Psicologia Hospitalar em Reabilitação pelo Hospital das Clínicas de São Paulo (HCFMUSP), analisou as possíveis causas da incidência da doença na maturidade e apontou a catarata como um dos fatores que pode debilitar a saúde emocional do idoso, podendo causar depressão.
Em matéria enviada ao O Combate, a psicóloga lembra que somos seres influenciados, ou seja, recebemos estímulos do meio e reagimos; por isso, a perda da visão tem impacto na incidência da depressão, assim como a perda de outros sentidos. “Existe uma fala comum aos pacientes idosos sobre a constante perda na vida trazida pela idade, seja na convivência com os demais, relacionamentos ou atividades diárias”, afirma. Segundo a especialista, a alteração na visão gerada pela catarata influencia na dinâmica emocional do idoso, que passa a não ver as coisas como antes. “A visão opaca, ocasionada pela doença, com decorrer do tempo debilita a saúde emocional do indivíduo. Ele passa a ver a vida sem brilho e as relações sofrem alterações. Essa baixa qualidade da visão afeta a questão psicológica e a motivação para fazer as coisas que gosta como, por exemplo, assistir tevê. Em muitos casos, o idoso se queixa que o aparelho está com problemas, sem admitir que é a visão. Com isso, o indivíduo se isola, não tem a vivacidade para passear e ver os lugares bonitos”, afirma.
A Dra. Tassiana Cintra Valentim tomou conhecimento das informações e observou que a relação entre catarata e depressão de fato acontece. “Eu achei a matéria muito pertinente! Observo no consultório a felicidade dos pacientes no pós-operatório das cirurgias de catarata ao enxergarem melhor e terem uma qualidade de vida muito melhor também. Este fato, inclusive, é relatado pelos acompanhantes e familiares”, comenta a oftalmologista.
Em muitos casos, conforme observa a psicóloga, a família não associa as mudanças de comportamento ocasionadas pelas limitações de saúde trazidas pelo envelhecimento. Dessa forma, generaliza a forma de agir do idoso sem saber quais são os reais motivos para ele comportar-se de determinada maneira. O cuidador familiar do idoso também não entende que o isolamento pode ter inúmeras causas – e que, uma delas, pode estar relacionada à perda ou diminuição da visão. “O diagnóstico da catarata acarreta medo entre os pacientes idosos; eles ficam receosos em fazer a operação; e têm receio de ficarem cegos. Após o procedimento cirúrgico e melhora na visão, percebem que não correm risco de cair na rua; que podem sair e retomar as atividades que antes estavam esquecidas. Já aconteceu de um paciente relatar que, ao voltar a enxergar, passou a ir toda hora na padaria para tomar café com os amigos, conversar com os vizinhos e ter qualidade de vida”, relata Eliane, acrescentando que a família tem um papel fundamental na busca por um diagnóstico correto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.