Especialistas alertam: nem todo mundo pode praticar corrida

29

Existem diversos tipos de modalidades esportivas para quem deseja perder peso ou apenas melhorar o condicionamento físico, e a corrida é uma delas. Entretanto, o educador físico Edison Tresca alerta que o exercício, se praticado de forma incorreta e desacompanhada de um profissional, pode trazer malefícios. “Nem todos podem praticar corridas continuamente ou mesmo esporadicamente. Apenas pessoas com bom nível de condicionamento físico suportam correr diariamente sem trazer malefícios ao organismo. Para essas pessoas, que já são bem treinadas, é até necessário manter essa rotina para não perder o ritmo. O praticante sem um preparo adequado não conseguiria seguir um programa diário, uma vez que este é um exercício que exige muito do corpo”, explica o professor.
Quem excede os limites suportados pelo corpo pode ter problemas simples, como um desconforto ou fadiga extrema, ou enfrentar situações mais graves e que podem até levar à morte, em casos quando não se tem ciência de doenças preexistentes. O indicado para todos que desejam iniciar a prática da corrida é procurar um cardiologista, fazer os exames necessários e, após o parecer médico, obter a liberação para começar as atividades. Além disso, é preciso que haja sempre o acompanhamento de um profissional de educação física, habilitado e capacitado. Seguindo essas orientações, os riscos de prejuízos à saúde são diminuídos drasticamente.
A intensidade do exercício pode variar entre baixa, sendo uma caminhada, moderada, como um trote, e intensa, chegando a corrida, de fato. A necessidade, capacidade e objetivos do praticante serão avaliados e determinados pelo educador físico que estiver orientando o indivíduo. De acordo com Tresca, em todos os casos, para que os resultados e benefícios da atividade sejam perceptíveis é preciso que esta seja praticada durante, ao menos, 15 minutos, três vezes, em dias alternados por semana.
A educadora física Milena Lorenzon, que é expert em corrida, não só como atleta, mas como treinadora, concorda com o colega. Segundo ela, quando se analisa a questão não se pode considerar apenas o fator risco cardiológico, mas devem ser levadas em consideração outros tipos de lesões causadas por correr de forma errada. “Entre estas lesões estão dores no joelho, quadril e a famosa canelite. Elas afastam o atleta por um bom tempo dos treinos. Então é sempre bom estar bem amparado de vários profissionais: médicos, educador físico e, muitas vezes, também de um fisioterapeuta”, comentou Milena.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.