Incêndios criminosos e acidentais prejudicam o ar e a lavoura

10

O tempo seco já chegou e, com ele, focos de incêndio pipocam pelas regiões mais secas do País. Em Jaboticabal, nas duas últimas semanas, dois grandes incêndios deixaram o ar cheio de fuligem e causaram revolta nas donas de casa. Boa parte da população reclamava que era queima de cana, sem saber, no entanto, que a colheita da cana-de-açúcar é mecanizada há anos e que, portanto, o produtor rural não tem o menor interesse em quaimadas. Ao contrário. Elas são extremamente prejudiciais do ponto de vista ambiental e legal.
A Associação Comercial, Industrial e Agronegócios de Jaboticabal, a Coplana, o Sindicato Rural e a Socicana têm divulgado constantemente a importância de uma operação que chamaram de Corta Fogo. A Socicana, incluisve, voltou a frisar a necessidade de prevenção a possíveis focos de incêndios por meio de uma webinar – uma mesa redonda online, que foi transmitida no dia 17 de junho, e que continua disponível no canal da Socicana no YouTube. O encontro contou com a participação do superintendente da Socicana, Rafael Bordonal Kalaki, das advogadas Elaine Maduro Costa e Marta Santos, da Associação, e da presidente do Conselho da Associação Brasileira de Agronegócios (ABAG/RP), Mônika Bergamaschi.
O superintendente da Socicana intermediou a conversa e apontou tópicos essenciais à discussão, como o fato da conscientização ser um trabalho de longo prazo, que tem sido feito pela Associação, em parceria com a ABAG/RP, com frequência e de várias formas. “Orientamos os produtores para que tenham uma ótima colheita e sua propriedade ou as vizinhas não sejam afetadas com os prejuízos causados por um incêndio”, destacou Rafael.
Mônika lembrou a diferença entre a queima controlada e fogo sem controle. “Em 2014, depois da queima de mais de 50 hectares na Mata de Santa Tereza, a ABAG sentiu a necessidade de uma campanha de queimada para fogo sem controle. Na época, nos reunimos e montamos a campanha de queima controlada, antes da mecanização da lavoura. Em 2017, a resolução 81, da Secretaria de Meio Ambiente, estabeleceu o nexo causal. A atenção está voltada para a prevenção e o combate a incêndios, uma vez que não há mais queimadas. Este ano, já tivemos 813 focos de incêndio e o período mais seco está apenas começando”, apontou Mônika.
Ela informou que a ABAG contratou a Somar Meteorologia, que vai mostrar as áreas mais sujeitas a incêndios. Os mapas serão colocados nos sites da ABAG e dos parceiros, bem como nas redes sociais dos mesmos, além de serem divulgados pela EPTV. “É preciso denunciar pessoas suspeitas nas propriedades”, encerrou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.