Introdução alimentar: como apresentar os alimentos às crianças

171

Quando se trata de introdução alimentar, existem diversas dúvidas sobre como, quando, e quais alimentos apresentar à criança, pois existem diferentes métodos, diversas fases pelas quais o bebê passa, entre outros fatores, que influenciam esse período de aprendizagem. Vale a pena entender um pouco para proporcionar uma experiência enriquecedora e tranquila para a família.
Segundo a pediatra Priscila Moraes, o recomendado é que as crianças a partir dos seis meses de idade comecem a ingerir alimentos sólidos. “Nessa idade normalmente a criança já consegue sentar-se sozinha, pegar objetos e levá-los à boca. Por isso, é importante que haja firmeza do tronco e que tenha estabilidade para concentrar-se naquilo que está em sua mão, para poder realizar o movimento de trazer o alimento até a boca. Além disso, é por volta dos seis meses que o intestino está mais maduro para receber o alimento sólido, fazendo uma melhor digestão e evitando a constipação”, disse a Dra. Priscila, em entrevista ao O Combate.
Em relação aos tipos de alimento naturais que podem ser introduzidos, não há nenhuma restrição. “Diferente do que se pensava antigamente, ovo deve ser oferecido desde o início da introdução alimentar, pois atrasar seu consumo pode favorecer o aparecimento de alergias. O mesmo serve para o peixe, que pode ser oferecido nos primeiros meses”, explica a médica.
Já referente aos preparos industrializados, doces e temperos prontos, há ressalvas. O ideal seria não permitir que a criança os ingerisse.
A dra. Priscila sugere alguns grupos de alimentos, como cereais, tubérculos, raízes (arroz, milho, batata, inhame e mandioquinha, que são carboidratos complexos); carnes em geral (proteínas de alto valor biológico, ferro, zinco, cobre); leguminosas, que são grãos de vagens (feijão, grão de bico, ervilha, lentilha e soja, proteínas de baixo valor biológico, ferro, fibras e vitaminas); e legumes e verduras (vitaminas, minerais e fibras).
Segundo a pediatra, existem três métodos para fazer a introdução alimentar. “O tradicional, que é feito com a já conhecida papinha, oferecida com colher, amassada, e a partir dos oito meses, servida com pequenos pedaços. Nesse método, os alimentos devem ser triturados com um garfo e as carnes podem ser desfiadas ou moídas, sempre respeitando a capacidade de mastigação do bebê. Tem o BLW (Baby-Led Weaning), que consiste na oferta de alimentos em pedaços, tiras ou bastões. Em geral, não inclui alimentação com a colher e nenhum método de adaptação de consistência para preparar a refeição, como amassar, triturar ou desfiar. A abordagem encoraja os pais a confiarem na capacidade da criança de alimentar-se sozinha, sem interferências. E o participativo, no qual o bebê é o agente ativo do processo, porque ele mesmo escolhe o alimento que vai comer. Porém, é assistido pelos pais, que intermediam as preferências dele e o ajudam enquanto ele não tem habilidade ou eficiência na ingestão adequada de nutrientes necessários para o seu desenvolvimento”, citou, explicando que não há um método que seja mais indicado que o outro, seria interessante uma mescla entre eles. “O ideal é que o lactente receba os alimentos amassados oferecidos na colher, mas também experimente com as mãos, para explorar as diferentes texturas dos alimentos, como parte natural de seu aprendizado sensorial”, completa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.