Missa solene celebra os 70 anos do Mosteiro “Flos Carmeli”

128

“Conheço o Carmelo desde 1977, na época das irmãs Paula e Alice, entre outras. É uma grande emoção estar aqui hoje. Cresci à sombra deste Mosteiro e foi aqui, neste lugar de tanta paz, que fiz meu retiro das minhas três ordenações”. Aas palavras são do bispo diocesano de Barretos, dom Milton Kenan Júnior, que esteve em Jaboticabal exclusivamente para a missa solene em homenagem aos 70 anos do Mosteiro “Flos Carmeli”.
As palavras de dom Milton ganham eco em toda a comunidade, que sentiu a mesma emoção em participar de um momento tão importante. A Eucaristia pelo aniversário de fundação do Mosteiro foi presidida pelo bispo da Diocese de Jaboticabal, dom Eduardo Pinheiro da Silva, e concelebrada pelo prior Provincial, frei Evaldo Xavier, O.Carm., que proferiu a homilia; por dom Milton Kenan, irmão da Ordem Terceira do Carmo; e pelos padres convidados presentes.
Em sua homilia, frei Evaldo destacou o caráter contemplativo do Flos Carmeli e a importância da vida contemplativa carmelita para o mundo. “O Mosteiro ao longo destes 70 anos tem sido, e deve sempre ser, casa de oração. Como um farol para o navegante em alto mar, a vida contemplativa carmelita indica o caminho para Jesus. Por isso o Mosteiro Carmelita é Porto Seguro para toda a cidade de Jaboticabal e toda a Diocese. Recordando as palavras do Papa Bento XVI, do Mosteiro deve exalar o ‘oxigênio verde da oração’.”, disse
O Provincial também recordou o ideal de Dom Gabriel Bueno Couto, que como bispo auxiliar de Jaboticabal, teve a feliz inspiração de fundar ali o primeiro Mosteiro de Monjas do Carmo no Brasil. Ele encerrou desejando que o Mosteiro de Jaboticabal continue sempre a ser o refúgio de oração e fé “tanto sonhado por Dom Gabriel, para todos nós, navegantes no oceano da vida”.
A irmã Silvana Cristina Gameiro, uma das monjas do Carmelo de Jaboticabal, resumiu em três palavras o papel das monjas carmelitas ao longo destes 70 anos: dedicação, acolhimento e amor. “Com dedicação, a comunidade das monjas durante os 70 anos de história, buscou vivenciar e partilhar com todos do carisma carmelitano, sempre acolhendo a cada pessoa, assim como Maria, nossa Mãe do Céu, acolhe a todos em seus braços a cada dia, e tudo impulsionado pelo Amor de Deus que nos envolve e fortalece na caminhada”, resumiu irmã Silvana.
O bispo de Jaboticabal parabenizou o trabalho das monjas carmelitas, enaltecendo sua atuação junto à comunidade e rogando a Deus por sabedoria e saúde, a fim de mantê-las firmes na fé.
As comemorações pelos 70 anos do Mosteiro “Flos Carmeli” começaram no dia 6 de dezembro de 2017, exatamente um ano antes da missa que lotou a capela do Carmelo e que emocionou os participantes não só pela celebração em si, mas também pelas recordações que foram compartilhadas em imagens que retrataram desde a chegada das primeiras monjas holandesas até o trabalho que as que permanecem no Carmelo fazem atualmente.
“Acompanhamos a evolução das roupas, das atitudes, da tecnologia e de todas as mudanças que aconteceram ao longo deste 70 anos. O mais bonito disso tudo, no entanto, é que embora as monjas tenham se adaptado às inovações, às mudanças e criado mais sintonia com a comunidade, o propósito de sua existência continua e os valores cultivados estão cada vez melhores e maiores”, disse o frei. Batista Waders, que é conterrâneo das monjas que fundaram o Mosteiro em Jaboticabal e que é o responsável pelas celebrações no Carmelo. Segundo o frei, o tempo passou, as monjas se modernizaram, mas os conceitos de contemplação, fraternidade e oração continuam irretocáveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.