Neste sábado, à meia noite, relógios devem ser atrasados em uma hora

119

O horário de verão de 2018, que começou no dia 4 de novembro, termina neste sábado, dia 16, a meia noite. Alguns chamam este horário de “zero hora” do domingo, 17. Ao término do horário de verão, os moradores de 10 estados e do Distrito Federal devem atrasar o relógio em uma hora. Ou seja, quando o relógio marcar meia noite, deverá ser ajustado para as 23h.
O ajuste vale para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal).
Este ano, o horário de verão foi mais curto, uma vez que começou mais tarde. Antes, ele se iniciava no terceiro domingo de outubro. Em dezembro de 2017, o então presidente Michel Temer assinou decreto que encurtou a duração do horário de verão, atendendo a pedido do Tribunal Superior Eleitoral, para que o início do horário de verão não ocorresse entre o primeiro e o segundo turno da eleição.
O Palácio do Planalto chegou a informar em 2018 que, a pedido do Ministério da Educação, a entrada em vigor do horário seria adiada para dia 18 de novembro, a fim de não prejudicar provas do ENEM, mas acabou decidindo manter a data de 4 de novembro.
As mudanças na data de início do horário de verão chegaram a causar confusão. No dia 15 de outubro, usuários de telefone celular reclamaram da mudança automática do horário em seus aparelhos para o horário de verão. Na semana seguinte, mais clientes de operadoras de celular passaram pela mesma situação, em que os relógios de seus aparelhos foram adiantados de forma automática para o horário de verão. Em São Paulo, alguns relógios de rua também foram adiantados.
O fim do horário de verão chegou a ser analisado pelo governo Temer, em 2017, já que um estudo do Ministério de Minas Energia apontou queda na efetividade da iniciativa, já que o perfil do consumo de eletricidade não estava mais ligado diretamente ao horário, mas sim à temperatura. Os picos de consumo foram registrados nas horas mais quentes do dia. O ex-presidente, no entanto, desistiu da ideia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.