O Combate completa hoje 115 anos

105

Ao longo de 115 anos, ele já mudou de sede, de proprietários, de jornalistas, de formato, de estilo, de cor. Algo, no entanto, nunca mudou: sua credibilidade. O jornal O Combate completa hoje 115 anos de fundação e se sagra como um dos poucos jornais do Estado de São Paulo que permaneceu funcionando durante tanto tempo e que manteve sua linha editorial ética e comprometida com a essência do jornalismo idealizado lá atrás por Hipólito José da Costa, o primeiro editor de um jornal brasileiro, que, por sinal, era editado em Londres e pregava a independência do Brasil.
Carlos Buck (1903 – 1926), Antônio Gonsales Sobrinho (1926 – 1981), Ayres de Campos (1986 – 2002) e Maria Alice de Campos (2002- atualmente) são os “guerreiros” que mantiveram o O Combate vivo e forte, mesmo em épocas de crise econômica, moral e política. E lá se vão 115 anos desde que o visionário Carlos Buck resolveu, em plena chegada da Primavera, lançar um periódico que tinha a proposta, como o próprio nome já diz, de combater o que estivesse de errado na sociedade e de levar informações sérias a seus leitores. Até 1926, Buck continuou à frente do jornal, quando neste mesmo ano o vendeu para o senhor Antonio Gonsales Sobrinho, que manteve o jornal por décadas, conquistando mais respeito, mais leitores e mantendo a credibilidade de sempre.
Em 1981, por motivos de saúde, o senhor Antonio Gonsales teve que parar de publicar o jornal e esta parada deixou um vazio no registro da história da cidade por cinco anos, uma vez que apenas em 1986 o professor Ayres de Campos teve a ousadia de assumir a propriedade do então septuagenário O Combate. E a coragem passou de pai para filha. Maria Alice de Campos mantém um projeto que começou a mais de um século e vai ser perpetuado como o jornal mais longinquo e sério de Jaboticabal. Palmas para quem o faz e para quem o lê! Parabéns, O Combate!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.