Os cinco erros mais comuns na hora de sentar-se

111

Você já parou para pensar quanto tempo você fica sentado por dia? Se você contabilizar o tempo de ida e volta ao trabalho, o horário de trabalho, o horário das refeições e as horas em frente a TV, você pode chegar numa média de 11 horas por dia ou mais. Ou seja, você passa 70% do tempo sentado! Entretanto, o corpo humano não foi feito para ficar parado e muito menos sentado tantas horas. Estudos mostram que quanto maior o tempo que você fica sentado, maiores os riscos de engordar, desenvolver doenças crônicas e morrer de forma precoce. Mas, além de todos os malefícios de ficar sentado, a questão é que as pessoas se sentam da forma errada, o que agrava ainda mais o problema.
Segundo a fisioterapeuta Walkiria Brunetti, o corpo acaba se acostumando com as posturas incorretas, porque o cérebro se acostuma. “Chega um momento em que o cérebro entende que aquela postura está boa ou se tornou um hábito para aquela pessoa porque não a incomoda. Mas, os efeitos da má postura irão se acumular e podem causar sérios problemas na saúde musculoesquelética”, disse ela.
Walkiria lembra que quem trabalha sentado, deve se policiar para levantar-se a cada 40 minutos, alongar-se, caminhar para pegar água, etc. Mas, talvez acertar a posição na cadeira não seja suficiente quando a adoção de posturas incorretas já se tornou um hábito. Com isso, pode ser necessário um trabalho de fisioterapia para corrigir os vícios.
“Podemos trabalhar com a RPG (Reeducação Postural Global). Depois, uma ótima indicação seria o paciente praticar Pilates. O método é excelente para a postura, assim como fortalece os músculos do core que dão estabilidade para a coluna, o que também ajuda a adotar posturas mais saudáveis”, sugere.
A fisioterapeuta Claire Michelle Hara Vidotti concorda com a colega. “Vale lembrar, no entanto, que há diferenças entre RPG e Pilates. Cada uma dessas técnicas tem suas indicações próprias, mesmo quando ambas dizem trabalhar postura. Na minha prática diária, atendo muitas pessoas que praticaram o Pilates, mas que tiveram prejudicados seus sintomas e deformidades na estrutura da coluna. Não sou contra o Pilates, mas é uma técnica limitada quando falamos de dor na coluna, pois dor pode ser de diversas origens diferentes e não apenas muscular ou ligamentar. O Pilates não manipula a estrutura óssea, por exemplo com pompagens que ajudam no ganho do espaço articular descomprimindo uma raiz nervosa”, completou Claire.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.