Cabelo é tema de música, é o ponto central de fotos em capas de revistas, é a marca de muitas pessoas. Os cuidados com o cabelo é uma das coisas que mais ocupa o tempo de muitas mulheres. No entanto, além da função estética, o cabelo é responsável pela proteção da pele contra a radiação solar. Sua função, portanto, é dupla e sua queda excessiva é preocupante.
Segundo a médica Tatiana Santos Dias Sicca, o normal é a perda de 50 a 100 fios por dia e essa quantidade pode variar muito de um indivíduo para outro. “O ciclo de crescimento do fio dura normalmente de dois a sete anos. Existe a queda de cabelos sazonal, que é comum no final do verão e início do outono, na maioria das pessoas. Quando, entretanto, notamos que essa queda tem sido constante e bastante intensa, é necessário procurar ajuda”, adverte.
A Dra. Tatiana explica que o cabelo possui três fases: crescimento, repouso e queda. Porém, quando toda sua estrutura está fragilizada – desde a raiz até as pontas – os fios quebram e tendem a cair mesmo fora da fase de queda. Tal problema costuma acontecer em pessoas que fazem muitos procedimentos químicos. Mas além dos fatores locais, a queda também pode estar relacionada com questões de saúde, como falta de vitaminas, estresse, ganho ou perda de peso, anemia, hormônios e caspa.
De acordo com a publicação Harvard Health, a perda de cabelo ocorre por diferentes razões e o eflúvio telógeno agudo é uma delas. “Esta forma comum de perda de cabelo acontece dois ou três meses depois de uma situação em que o corpo passa por estresse intenso, como uma doença prolongada, uma grande cirurgia ou uma grave infecção. Quantidades moderadas de queda do cabelo caem de toda a extensão do couro cabeludo e pode ser evidenciada no travesseiro, no chuveiro ou pente”, informa.
Os efeitos colaterais por consumo de drogas também implicam em queda. “A perda de cabelo pode ser um efeito colateral de certos medicamentos que contenham lítio, betabloqueadores, varfarina, heparina, anfetaminas e levodopa. Bem como por causa das drogas usadas em tratamentos como a quimioterapia”, explica, acrescentando a alopecia androgenética (calvície) como queda. “É muito comum entre os homens e pode ocorrer em qualquer momento de suas vidas, mesmo durante a adolescência. É geralmente causada pela interação de três fatores: tendência hereditária para a calvície, hormônios masculinos e aumento da idade. As mulheres não estão isentas. Com a idade, muitas delas podem desenvolver algum grau de calvície”, alerta.
A perda de cabelo pode tter relação com lúpus, sífilis ou problemas da tireóide. Também pode ser um sintoma de falta de proteína, ferro, zinco ou biotina. Além de ser causada, em alguns casos, por infecção por fungos. “Esta forma de perda de cabelo acontece quando certos tipos de fungos infectam o couro cabeludo. Isto faz com que o cabelo quebre na superfície do couro cabeludo e que se desprenda em escamas”, explica a médica.
A alopecia areata, por sua vez, é uma doença autoimune que faz com que o cabelo caia em pequenas áreas. A causa desta condição é desconhecida, embora seja mais comum em pessoas que sofrem doenças autoimunes. Quando o mesmo processo provoca perda total dos cabelos, ele é conhecido como alopecia total. A alopecia traumática, que é outro tipo, está associada a técnicas agressivas de cabeleireiros, nas quais o couro cabeludo é submetido a puxões, calor extremo ou produtos químicos fortes.
A boa notícia para quem sofre com a perda de cabelo é que há inúmeras opções de tratamento. Para saber a mais adequada, é necessário consultar um dermatologista, que fará uma investigação das características e das prováveis causas do problema. “Dentre as opções terapêuticas estão os medicamentos tópicos e orais. Existem também lasers que podem ser utilizados para estimular o crescimento dos fios. Nos casos mais acentuados, o transplante de cabelo pode ser uma opção”, comentou a médica.
A Dra. Tatiana elencou mitos e verdades sobre queda de cabelos. Por exemplo: o uso de shampoo anti-queda funciona no tratamento? Verdade, mas não é a única solução. O shampoo anti-queda é um excelente coadjuvante no tratamento da queda de cabelo. Junto com ele, muitas vezes é necessário apostar em um medicamento tópico ou oral.
O estresse pode causar a queda dos fios? Verdade, o estresse é uma das principais causas de queda de cabelos. A química causa a queda dos fios? Verdade, uso de coloração, alisamentos e progressivas, assim como o secador e a chapinha, podem levar à queda, assim como podem produzir um processo de dermatite de contato e induzir a perda dos fios.
O homem perde mais cabelo que a mulher? Verdade. A calvície é um problema que afeta especialmente os homens, pois a testosterona, hormônio sexual masculino, é a maior responsável pela queda do cabelo. Embora as mulheres também a produzam, nelas a quantidade é muito menor. O uso de boné aumenta a queda? Sim. O uso do boné abafa e esquenta a cabeça. Quem o usa com frequência repete o erro das pessoas que lavam o cabelo para tirar a oleosidade e depois passam secador quente, o que faz a gordura reaparecer. Grávida perde mais cabelo? Mentira. Para a maioria das mulheres, as mudanças hormonais da gravidez deixam o cabelo com aparência de mais forte e saudável. É bem mais comum que o cabelo caia alguns meses depois de o bebê nascer do que durante a gestação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.