O QUE DISSERAM E DIZEM D’ “O COMBATE”

Continuação…

Em 20 – 09 – 1953
Há um laço que liga todas as pessoas que nasceram ou viveram aqui e hoje se encontraram trabalhando fora de Jaboticabal. É “O Combate”. Ele nos acompanha, levando as boas e más notícias – Alberto Bottino, Deputado Federal.

Pujando sempre, sem deslizes e sem canseiras, pelos reais interesses da coletividade, tem feito jus o atual diretor do “O Combate” ao respeito que merece seu jornal, e que recebe da população da zona em que circula. – Dr. Pedro Doria.

Em 20 – 09 – 1953
“O Combate” transpôs as nossas fronteiras, brilhando pelo direito e pela verdade. E é motivo de orgulho a sua ação patriótica, projetando fora de Jaboticabal o nome de sua gente e de sua terra, e ombreando-se com aqueles que cooperam pela imprensa honesta para a grandeza da Pátria – Dr. Wilson Bussada, Advogado e Jurisconsulto, residente em São José do Rio Preto.

Sem Antônio Gonsales Sobrinho não teríamos “O Combate” – esse jornal cuja as colunas estão sempre, de fato, abertas a todas as ideias úteis, construtoras, jornal que, pelo esmero, com que é confeccionado, e que assim revela o grande ideal de seu digníssimo Diretor-Proprietário e a perfeita competência de seus dedicados auxiliares, agrada plenamente a quem nele escreve e a quem o lê e, ainda, muito honra esta Jaboticabal das rosas da nossa admiração e da nossa estima, bem como a família jornalística universal. – Antônio T. Correia Leite, São José do Rio Preto.

“O Combate” e seu proprietário não se curvam ao peso do dinheiro e nem se dobram a força das injunções. Seguem serenos e altivos o caminho certo que o destino lhes traçou. – Prof. Wilson B. Tucci.

“Então, eis porque, nesta data, jubilosamente, rendemos nossas homenagens a ‘O Combate’, não só por ser um órgão de imprensa, mas por ser, realmente, um órgão de boa imprensa. Este semanário que há meio século, nascia para Jaboticabal, tem sido o modelo de constância, de elegância e de utilidade”. – Prof. Mário Ferrari.

Em 01 – 01 – 1967
“Nesta fase que se inicia no alvorecer de 1967, desejamos que ‘O Combate’ não se esqueça jamais do teimoso idealismo de Antônio Gonsales Sobrinho, amanuense, o tipógrafo, o jornalista que fez o seu jornal, através de meio século de existência, a crônica vida dos acontecimentos que marcavam as esperanças e os desencantos da generosa, acolhedora e altiva comunidade jaboticabalense. – Laerte Ramos de Carvalho, Reitor da Universidade Nacional de Brasília.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFALECIMENTOS
Próximo artigoEDITAIS DE PROCLAMAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.