Vídeo levanta a polêmica sobre mamografia causar câncer

37

Nesta semana circulou um vídeo nas redes sociais com um médico dizendo que fazer mamografia pode dar câncer. A informação causou muito burburinho, embora nem seja a primeira vez que o assunto vira polêmica. Em 2016, Drauzio Varella, um dos médicos mais populares do Brasil, já teve seu nome ligado a uma fake news que dizia que “os casos de câncer de tireoide em mulheres estariam aumentando por causa da realização de mamografias e radiografias odontológicas”.
O mesmo texto já circulava por e-mail em 2013, quando chegou a ser desmentido por sites “caça-boatos”. Na época, as afirmações eram atribuídas ao programa americano de TV The Dr. Oz Show, comandado pelo médico Mehmet Öz. Entre 2014 e 2015, uma versão passou a circular no WhatsApp, já atribuída a Drauzio Varella.
Em 2016, o vídeo, cuja circulação explodiu justamente no “outubro rosa”, mês de conscientização sobre o diagnóstico do câncer de mama, trouxe novamente o assunto à tona. E agora, em pleno 2019, depois de tanta informação ser veiculada, ainda há quem insista em levantar a questão, o que, segundo Drauzio Varella destacou em seu blog, “é um desserviço às mulheres”.
“Passamos tantos anos insistindo que as mulheres façam mamografia anualmente a partir dos 40 anos, e uma pessoa infeliz dessa usa meu nome para assustar as mulheres”, diz o médico, à época.
Agora, com o novo vídeo circulando, afirmando que fazer mamografia uma vez por ano pode provocar câncer e que ela não deve ser usada como prevenção, apenas como exame esporádico, vários profissionais voltar a empenhar-se em desmentir o que pode provocar uma atitute leviana de muitas mulheres em relação à sua saúde.
O Dr. Fábio André Barato, ginecologista e obstetra, tem uma visão muito sensata sobre o assunto. Ele também viu o vídeo e analisou as informações. “Ele exagerou um pouco, mas existe sim uma grande ilusão por trás dos exames. O excesso com certeza é prejudicial. Para grupos de baixo risco, a recomendação da Organização Mundial de Saúde é mamografia a cada dois ou três anos. Este período, é claro, é reduzido, para grupos de alto risco. O excesso de exames gera procedimentos desnecessários e muitas vezes perigosos, além de onerar todo o sistema. O maior problema é cultural, a falsa sensação de proteção”, comenta Dr. Fábio.
A mamografia, segundo o OncoGuia, utiliza raios X para formar a imagem da mama e é utilizada para o rastreamento do câncer de mama. A imagem é obtida com o uso de um feixe de raios X de baixa energia, após a mama ser comprimida entre duas placas. O risco associado à exposição à radiação é mínimo, principalmente quando comparado com o benefício obtido.
Para combater as fake news sobre saúde, o Ministério da Saúde, de forma inovadora, está disponibilizando um número de WhatsApp para envio de mensagens da população. Vale destacar que o canal não será um SAC ou tira dúvidas dos usuários, mas um espaço exclusivo para receber informações virais, que serão apuradas pelas áreas técnicas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira. Qualquer cidadão poderá enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando. O número é (61)99289-4640.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.