Xô olheiras: suavidade no olhar

156

Ninguém quer ter sua aparência comprometida por causa de um olhar de cansaço, não é mesmo? Pois é, as olheiras estão entre as maiores reclamações dos consultórios dermatológicos e segundo a médica Tatiana Santos Dias Sicca, há diferentes causas para esse problema e todas são agravadas por noites mal dormidas. “As olheiras amarronzadas são provocadas pelo excesso de melanina, o pigmento que dá cor à pele. Elas podem ser genéticas ou facilitadas pelo excesso de sol, pela coceira do local ou por fatores hormonais. Certos povos, como os árabes e indianos, têm tendência a elas”, explicou.
A Dra. Tatiana lembra que há também as olheiras azuladas ou arroxeadas. “Estas têm origem nos finos vasinhos que irrigam a região, que tem uma pele muito fina e, logo, mais transparente. Qualquer alteração vascular ou de pigmentação fica bem visível. Pessoas com alergias como rinite e sinusite ou ainda com a pele muito clara são as mais atingidas pelas olheiras vasculares. Mas elas também surgem depois de uma noite mal dormida. Durante o sono, ocorre uma drenagem linfática na região. Quando isso não acontece, surge um inchaço que deixa os vasinhos maiores e mais nítidos. É por isso que cansaço é sinônimo de olheira e realça todas as versões dessa chateação, inclusive a relacionada com o formato do rosto”, informou a médica.
Segundo ela, algumas pessoas podem ter uma anatomia que realça a profundidade do sulco lacrimal e diminui o volume de gordura local, e essa falta provoca uma sombra profunda. Outra situação em que isso ocorre é com a idade, que favorece a perda de gordura e a flacidez. Os tratamentos apontados por ela variam de cremes clareadores a preenchimento.
A maioria dos cremes à venda nas farmácias têm ação clareadora, o que só funciona mesmo para as olheiras oriundas do acúmulo de melanina. Se a olheira é do tipo vascular, compressas geladas são mais úteis. Isso porque diminuem a circulação local e, assim, o inchaço e os vasinhos tendem a diminuir. Mas é necessário tomar cuidado para não deixar a compressa muito gelada, uma vez que a pele do local é sensível e pode queimar fácil.
A médica explica que além dos cremes e cuidados domiciliares existem várias técnicas que podem ser feitas para melhorar e tratar as olheiras. A escolha do procedimento ideal para cada caso é feita pelo médico de acordo com a avaliação clínica e vai depender do tipo de olheira, do fototipo da pessoa, da resistência à dor e de características gerais como alergias ou hipersensibilidade.
A carboxiterapia tem baixo custo, mas não é indolor. São necessárias entre cinco e seis sessões. A luz pulsada provoca pouca dor, tem bons resultados, mas não pode ser usada para peles morena e negra. “Existem vários tipos de peelings para olheiras e os melhores são à base de ácidos como retinóico e tioglicólico. Estes recursos funcionam bem nas olheiras melânicas têm rápida recuperação, são mais indicados no inverno e causam uma dor leve. Preenchimento com ácido hialurônico é uma ótima opção para as olheiras profundas, onde há pronunciamento dos sulcos. Tem efeito imediato, substância segura, raras complicações, mas o custo é alto”, disse, citando ainda a mesoterapia com ácido tranexâmico, indicada especialmente para as olheiras pigmentadas ou escurecidas. “São realizadas injeções na região com a substância que degrada a hemoglobina responsável pelo aspecto escurecido do local. Provoca dor, podem ocorrer casos de hipersensibilidade, mas os resultados são rápidos”, encerrou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.